quinta-feira, 13 de março de 2008

Futuro do pretérito

por Keissy Carvelli


Trocaria meu travesseiro
Pelo teu sorriso criança,
Pelo teu brilho contido,
Pela tua alegria
De menina que dança.

Seria eu a madrugada de olhos abertos,
Seria você minha
De um lado, do outro
De dentro.
Seria eu o suspiro desastrado,
O juízo perdido,
Os teus amores,
Todos eles.

Seria eu o seu toque
Dos desejos escondidos;
A sua falta de escolha
Tão bem escolhida;
Sua denúncia breve
De afagos pequenos,
Camas desarrumadas,
E seus descompassos
Tão bem entendidos.

Sinto não ser para mim.
Não procura meus abraços
Quando o sol se faz caindo.
Não tropeça pelos beijos
Enquanto se faz pequena
Na sala e sofá.
Não vê meu sorriso
De tão bobo
Sorrindo.

Sinto não ser para mim.
Sinto sentir,
Mas não ser assim,
Minha.

7 comentários:

disse...

nossa, adorei saber dessa coincidência... :) inclusive eu acho o nome do seu blog ótimo também! adoro!

também vou te linkar no meu! e sobre o texto de hoje... engraçado como vc escreveu EXATAMENTE várias coisas que eu precisava escrever e não conseguia achar a melhor forma! perfeito!

:*

Ni disse...

Isso me lembrou poemas antigos, de um tempo em que não haviam coisas invadindo negativamente a mulher e as palavras ainda não eram perjorativas e nem feias, feito os tempos de hoje. Era um prazer cortejar a mulher - vide os lindos sambas de Cartola. E por falar em Cartola, ouça a música "Minha", se acaso gostar de belos sambas.
Tem magia aqui, tem sensibilidade nas letras e tem sutileza em tudo.

Conheces Caio Fernando Abreu? É meu escritor preferido, teus escritos lembraram um trecho de texto dele:
"E quando ele perguntou 'porquê?', compreendi ainda mais. Falei: 'Porque é daí que nascem as canções'. E senti um amor imenso. Por tudo, sem pedir nada de volta. Não-ter pode ser bonito, descobri."
Caio Fernando Abreu, "Pálpebras de Neblina" - Pequenas Epifanias.

:)

Rosa disse...

do texto anterior...

quer ter amor ou poesia?


adivinha só o que eu escolhi...
...adivinha só onde eu me meti.


e a gente tem amor, é só o amor que não tem a gente, sabe.

gostei do poema.

Anônimo disse...

novo blog?
interessante

disse...

menina, você não posta mais não? eu entro aqui todo dia louca por algo seu pra ler hahaha :) e pior que acho que já li quase todos os posts antigos...

ah sim, você tinha pedido orkut ou algo do gênero. então... aqui: http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=914672580367214485 me deixa um scrap pra eu entrar no seu ;)

pseudo poeta disse...

claro que sim, me diz o nome dela que eu entrego uma pra ela levar pra você

dica disse...

esse?
[hm, seria futuro do pretérito e não pretérito perfeito]

nesse caso, prefiro o pretérito perfeito... não gosto de condições.