quinta-feira, 14 de maio de 2009

Primeiro ato

por Keissy Carvelli

- Vou sentir saudade.

- Eu vou sentir saudade.


Olharam-se nos olhos como há tempos não o faziam. Talvez até já tivessem lançado algum olhar pra outro alguém, mas nunca assim. Os olhos tão opostos em cores e formas encontraram-se num mesmo ponto, num mesmo sentido e podiam dizer absolutamente qualquer palavra, qualquer sentimento intenso sem sequer reproduzir um som. O silêncio bastava para aqueles olhos.

Os lábios colaram sorrisos mútuos, sorrisos abertos numa mesma fração de segundos sobre os braços cruzados ao redor do corpo. Tinham no silêncio a expressão perfeita para a luz apagada e janela aberta.

No rádio uma música cheia dessas palavras escondidas nos medos de amores passados, de paixões erradas, de lágrimas caídas. Por quantas vezes pensaram em desistir dessa coisa toda, desse lirismo todo por uma dor jogada em camas solitárias. Por quantas vezes olharam para as estrelas num céu aberto e desenharam em imaginação cenas de livros e filmes melódicos.

Estavam ali, ouvindo letras de paixão com os olhos cheios dessa vontade incontrolável de parar o mundo e parar o dia e trancar a porta e deixar o som, os olhos e os beijos levarem o resto do tempo inteiro.

Sorriam e entrelaçavam as mãos como se encenassem um filme há anos e estivessem apenas reproduzindo, mais uma vez, com a mesma intensidade do primeiro ato. Era o primeiro ato de uma paixão inteira, sem tempo nem compasso, sem capítulo último. Uma diálogo inicial e só...

Não trocaram nostalgias, passados distantes, passados presentes. Era como se o relógio começasse a girar dali, exatamente naquele instante, naquele sofá claro, naqueles olhos opostos.

Era paixão, e inúmeras precipitações seguras. Eram os olhos e os sorrisos brilhando juntos, e quando os olhos e os sorrisos se completam não há tempo, nem espaço, nem passado, nem medos.

Sabiam da saudade dos próximos dias, mas não sabiam que a paixão terna e doce daquelas noites, e canções, e lençóis, e risos, e abraços, e olhos sorrindo estava só no primeiro ato, no primeiro diálogo da peça mais linda que já atuaram.


5 comentários:

Juliana disse...

Estava com saudade dos seus textos.
muito bom viu? :*

Alexa disse...

muito bom mesmo, eu consigo me ver descrita nele. continue, sempre que possivel, postando seus textos aqui :D

Claudia Bittencourt disse...

Lindo. :)

Vou relacionar seu blog no meu, ok?
Beijos

Me disse...

lindo, lindo, LINDO!!!

Jéssica V. Amâncio disse...

ah que coisa linda! quero olhar nos olhos de alguém e sentir tudo isso. adorei o final também. =)